Axe in the Dark

09/09/2009

Axe in the Dark
A axe do Japão lançou um site que trabalha com aspectos dos filmes de terror com aventura e claro com um desodorante sempre presente e ajudando a salvar o dia. Tudo isso ocorre em um abiente no cinema e junto dele os filmes que estão em cartaz definem como a sua aventura irá se desencadear. Sinceramente, gosto de ações que envolvam esses elementos de interação e ao mesmo o produto em um ambiente fora do seu habitual, pois isso quebra um pouco da rotina o que facilita uma abordagem diferenciada.

Naveguem pelo site e se aventurem com o Axe in the Dark


Efeito dominó. Um record mundial.

03/08/2009

O efeito

Hoje em dia fica complicado para você fazer anúncios que chamem atenção do público e isso não é nenhuma novidade. Existem inúmeras ferramentas e inúmeros públicos com inúmeras mensagens. Para quem tem muita grana, tanto na publicidade como na vida, as coisas ficam digamos, mais fáceis de se conquistar ou até mesmo de gerenciar.

Mas o que acontece quando o seu recurso não está lá essas coisas e ao mesmo tempo seu cliente vende um produto que o apelo exija algo realmente convincente? A criatividade reina. É o caso desse comercial da Bensons for Beds feito por Wand de Londres, uma pequena agência independente que não tinha seu destaque pelo mundo até ter a idéia de bater o record mundial de dominó humano. E claro, ao mesmo tempo anunciar o cliente.

Caso queira ler algo mais sobre: Notícia

Caso queira conhecer a agência: http://www.wandagency.com/


O melhor emprego do mundo ou o maior viral do mundo?

09/03/2009

Uma ilha localizada na costa de Queensland, uma entre 600 que existem por alí. Se você fosse o ministro do turismo desse lugar, e buscasse um aumento no turismo, o que faria? Alguns poderiam buscar uma bela agência de publicidade e criar uma campanha maravilhosa, veiculando em canais pelo mundo, jornais, internet e gastar uma bela grana aguardando o retorno desse investimento. Outros poderiam apelar para parcerias com empresas de turismo e oferecer pacotes especiais de viagem, preços baixo, alto teor de conhecimentos culturais e promessas de belas fotos.

Mas a ministra de turismo de Hamilton, a tal ilha, preferiu utilizar a imagem da ilha de forma mais planejada. Desley Boyle, a tal ministra, simplesmente usou o que tinha e potencializou, uma bela ilha paradísiaca, a grana da publicidade, torno de R$235.000,00 / semestre,  virou um salário por um período de 6 meses para um(a) sortudo(a) qualquer, que simplesmente seria contratado como zelador desta ilha, e feito. Mas você pode pensar “um zelador com um salário desses?”. Chegamos ao ponto  no quesito da gestão de imagem, quase um branding, em que o que foi feito é simples, valorização do Halminton, a ilha.

E o que foi feito? Primeiro lançar na internet um site oferecendo uma oferta de emprego irrecusável, em um paraíso, quase abandonado. As exigências são baixas, saber mergulhar, gostar da natureza e ter um espírito aventureiro.

Segundo, mostrar como é bom trabalhar nessa ilha utilizando muitas fotos e vídeos, para que as pessoas realmente queiram conhecer a ilha, tanto para o trabalho como para a visita, que é o objetivo da ministra, lembra? Como por exemplo essas fotos.

Ilha 01Ilha 02Ilha 03Ilha 04

E terceiro, criar um nome de impacto, afinal, isso é  decisivo para que tudo de certo e chame atenção do mundo. Assim surge o nome “O melhor emprego do mundo”.

Pronto. Sua ilha cai na boca do povo, ou melhor, na busca do google e com isso, podemos observar como uma decisão bem planejada pode facilitar a sua vida, desde a busca no aumento do turismo em sua ilha, até mesmo seu pequeno comércio.

Se formos análisar bem, o processo de seleção para o cargo mais famoso do mundo, a ilha já está ganhando muito com isso. Dia 06 de maio deste mesmo ano será escolhido a nova celebridade, que atuará como zelador, de uma ilha que mais parece o Big Brother ou até mesmo o extinto No Limite.

A ilha teve um gasto mínimo com a criação de seu site, para colocar suas informações e tudo mais para divulgação da ilha, junto do charme para atrair atenção de todos, e mais o salário do indivíduo sortudo que irá atuar como zelador por seis meses.

E o retorno disso? Bom, em questão financeira ainda não sei dizer o que rendeu, mas com certeza irá render, pois hoje se for pensar essa ilha é famosa no mundo inteiro, muito mais famosa que a do lost, e quem não conhecia, agora conhece e quem já conhecia tem orgulho de dizer que já tinha conhecimento e quem é ministra do turismo de lá está rindo a toa. Pois em primeiro lugar, o que essa proposta inusitada rendeu de mídia espontânea pelo mundo, em blogs, portais de notícias e inúmeros outros lugares, isso já cobre a publicidade que muitos iriam escolher no começo para divulgar sua ilha, e o melhor, isso foi de graça. Ter a ilha anunciada em todo mundo de graça e quase ao mesmo tempo, é bom para qualquer um.

Segundo, sua fama agora é gigantesca e ninguem pode negar, e fama traz movimentação, o seu turismo bem provavelmente irá pagar o salário do sortudo ganhador, e ainda trará alguns trocados para casa.

Terceiro, a fama novamente, mas agora focada no zelador mais famoso e bem pago do mundo, que claro, será um personagem que muitos irão conhecer e entrevistar, e isso se torna mais um motivo para ir conhecer a ilha.

Como o mundo está olhando para este ponto é claro que esse lugar se torna valioso para qualquer empresa que queira que seu nome seja visto por todos, patrocínios é o que não irão faltar para essa ilha, ou seja, lá não irá faltar nada, se depender das empresas.

Sendo assim vimos que a ministra fez algo muito inteligente, transformou sua bela e pequena ilha, que está no meio de mais 599 ilhas tão parecidas quanto, e criou um diferencial, deu força a sua imagem e melhor, ganhou muito dinheiro com isso, ao invés do contrário do que vemos por aí.

Então, o maior viral do mundo, transformado em melhor emprego do mundo, com certeza é um case para que todos nós olhemos para nossas ilhas ou qualquer coisa, e descobrir seu valor, para que um dia ela finalmente crie sua própria identidade, e assim deixar de fazer o que todos fazem, e começar a fazer o que realmente deve ser feito.