Estamos chegando a era da internet

30/03/2009

Você usa?

Você usa?

Se você concorda com o título deste post tome cuidado. Saiba que você está atrasado. Mas não se preocupe, pois com a internet, hoje em dia, mesmo que você ainda não saiba o que é um mp3, ftp, twitter e msn garanto que uma semana de navegação já terá contato com boa parte dessas coisas. Lembro que a uns três anos atrás em uma das palestras que estive presente, não lembro exatamente quem era o palestrante, mas lembro o que estava sendo falado. Era sobre a grande novidade, mobile marketing e o uso deste meio como forma de alcançar nosso público de forma com maior impacto e penetração. Ser direto e pessoal. E junto disso estávamos entrando na era da internet, no qual, deixava der ser apenas uma ferramenta de lazer e começava a ter peso diferente. Mas lembro muito bem que já a três anos atrás, o palestrando alertou “Não estamos entrando na era da internet, já entramos e a muito tempo, quem não percebeu isso vai ficar para trás”.

Eu concordei com ele naquele dia, e já sabia disso a muito tempo, como tantos outros jovens da minha geração, sabíamos que a internet é muito mais bate-papo e pesquisas para trabalho. Tanto é, que lembro que muitos usavam a internet como ferramenta de promoção de portifólios e tudo mais. Assim sendo chego ao ponto que eu quero abordar aqui. Se ha três anos atrás, já estávamos na era da internet, onde estamos agora? E é isso que pretendo responder.

Para isso coletei alguns links que usarei como ilustrações ao que digo.

A era pós “era internet”.

Como todos já sabem, a internet existe a muitos anos e já passou por diversas transformações. Aumento de velocidade, aumento de área, aumento de preço e aumento de importância. Por exemplo os blogs, que começaram timidamente com coisas pequenas, como um diário online das pessoas – nada demais. Até que de um tempo pra cá esses blogs começaram a ficar mais complexos e ganhando conteúdo, fãs e credibilidade, chegando ao ponto de incomodar até certos jornais. Mas não apenas os blogs, mas também várias outras ferramentas que estão na internet afetaram as vidas de todos e de tudo. Hoje chegamos ao ponto em que as pessoas preferem buscar informações sobre produtos ou opiniões (onde?) na internet.

Mas isso não fica por ai. Não podemos esquecer as redes sociais, como o velho orkut, os irmãos do meio facebook e myspace e o caçula twitter. Nunca ocorreu uma facilidade de conectividade entre as pessoas como hoje, mas a frente volto a falar sobre nossa situação nesse quesito. As redes sociais nos colocaram perto de pessoas que achavamos que nunca iriamos ver novamente e ao mesmo tempo conhecer novas pessoas, assim quebrando barreiras geográficas e temporais. Sem contar que a onda do momento é análisar o candidato pelo perfil dessas redes sociais, como já foram feitas algumas matérias ensinando como evitar gafes na hora de ter seu perfil.

Por último e não menos importante, a utilização da internet como fidelização e prospecção de consumidores pelas empresas. Existem inúmeros cases de ações web que vimos e iremos ver das empresas usando esse meio para se promover ou promover seus produtos; entenda-se também bandas, atores e qualquer pessoa que necessite disso, ou seja, todos. Um post recente no updateordie fala bem sobre isso. Hoje confiamos na internet para efetuar boas compras, independente se o produto for uma casa ou um novo sabor de bolacha. Podemos falar com outras pessoas que compraram e pedir suas opiniões, saber se estão satisfeitas, o que mudariam ou qualquer coisa que nos faça sentir mais seguros para comprar. As empresas devem saber como participar e usar essas informações que são de grande valor para assim usar ao seu favor para ai transformarem em algo positivo. Podemos ver que as empresas hoje, se não olham para internet com maior cuidado, podem simplesmente não existir. Agora botamos nosso querido país em xeque. E aí? E o Brasil?

Bom, nosso querido país avançou muito em relação a internet. Em muitos lugares hoje temos acesso  a rede. Tanto é que saiu um estudo feito pelo Deloitte que afirma: os brasileiros preferem a web à TV. Nisso já podemos ver o quanto estamos na era da internet; sim, a tempos. Estamos vivendo em um nível de progresso altíssimo, que deixa a internet como algo tão poderoso pelo seu acesso, sem restrições e sem julgamentos. O entretenimento que a internet oferece é algo sem limites e quem acessa vai até onde quer chegar. Ou seja, na maioria das vezes quem vai até a empresa ou o produto é o próprio consumidor, enquanto a empresa fica parada em seu “www” esperando a nobre visita do consumidor. E não só com a internet no computador, mas também com a nova técnologia de internet para o celular, o amigão 3g. Claro que para isso existem técnicas que facilitam o processo e isso é um prato cheio para quem quer vender algo, certo? Mas apesar de tudo isso nosso país ainda está longe dessa modernidade. O WEF lançou uma lista, diga de passagem, muito importante para termos a noção do mundo, mostrando os países com maior conectividade, e ficamos em 59ª lugar. É, nada muito animador pra mim. Isso mostrar que aqui exploramos pouquíssimo o potencial da web, mesmo que sejamos um dos países que ficam mais tempo online. Muito disso é por vezes a descredibilidade que muitos ainda depositam na internet, pelo fato dela ter esse acesso fácil por qualquer um, mas ai que eu me pergunto. Não é aí que está a riqueza da internet? A facilidade e possibilidade de qualquer um em qualquer lugar falar sobre, quase, qualquer coisa. Eu acredito que sim, pois muitos tem seu único acesso ao mundo por alí, e a única forma de ter uma voz ativa é pela web. Claro que devemos ter bom senso e filtrar essas informações, pois nem tudo é maravilhoso e verdadeiro fora da internet.

O nosso Brasil, mesmo tendo uma baixa classificação na lista do WEF também tem coisas seu lado bom. Estamos indo para um caminho em que a banda larga é algo que já se tornou comum nas casas dos internautas, e o que isso quer dizer? Simples, praticamente uma folha em branco esperando que grandes idéias surgam e usem esse potencial. Tanto é que em números os interneautas representam um número significativo, o Ibope apontou cerca de 43 milhões de internautas, e com certeza isso é maior que qualquer ponto de Ibope na TV. Não é a toa que vemos que muitos jornais, programas e rádios disponibilizem sua programação na web. Se hoje você quiser rever uma reportagem ou ver se existe alguma falando sobre algum tema, fácilmente você a encontra, isso em grandes portais. Mais uma razão para perceber o quanto a internet é mais do que bate-papo e coisas do gênero. Porem, como eu disse anteriormente, infelizmente a web em quesito de uso, a favor de promover as empresas, é algo que ainda não está tão próximo, mas isso não é simplesmente culpa delas. Junto disso as agências de publicidade também não estão colaborando para o processo. Você consegue contar nos dedos quantas realmente usam a internet como uma potencial mídia, ou como uma mídia importante dentro da campanha. A IBM lançou uma pesquisa mostrando que as agências realmente não estão conseguindo entender o consudimor digital, e isso é um problema que daqui um tempo não poderemos dar o luxo de manter, afinal nosso futuro, ou melhor, nosso presente já está todo aqui.

***Abrindo um parentêses, mostrando o quanto a internet anda crescendo e revolucionando, mas a um tempo um site chamado onlive tem uma promessa bem interessante sobre o mundo dos games. Você jogar qualquer jogo em qualquer lugar em qualquer hora. Exatamente, você não precisara ficar tendo que atualizar seu video game a cada mes ou buscando comprar o mais novo jogo. A proposta é bem interessante. Quem se interessar acesse: www.onlive.com. O site ainda não está com seu serviço em funcionamento, mas espero que em breve comece.

Anúncios

What are you doing?

16/03/2009
What are you doing?

What are you doing?

Twitter. Algo que está com tudo no momento, mesmo sendo um serviço que exista já a algum tempo, ganhou sua força não faz muito tempo, e parece que só tem tido “sorte” que tornaram seu nome mais forte dentro da internet. Veio com uma proposta diferente em um espaço cujo não parecia mais para inventar. Lembro quando foi a primeira vez que ouvi falar sobre o tal serviço, era algo tímido e com uma proposta que sofria o mesmo preconceito que o blog sofreu quando foi lançado. As pessoas param e pensam, por que vou perder meu tempo falando coisas pessoais minhas aqui? Quem iria querer ler? Nisso o Twitter enfrentou por um tempo a dificil missão de se colocar dentro da vidas dos internautas.

Porém, se formos ver hoje o Mr. Williams e Mr. Stone, CEO do Twitter, podem comemorar o sucesso do seu produto, afinal qual serviço hoje oferece um contato fácil e simples com qualquer celebridade do mundo? Ou melhor, facilidade para atualizar seu espaço até mesmo através do seu celular ? Acho que poucos espaços na internet tem essa flexibilidade e facilidade.

Bom, apesar destes dois pontos muito convincentes para o uso de tal serviço, ignorando claro o fator gratuíto de se uso, são as inúmeras colaborações que a web 2.0 proporciona, como a busca de emprego até mesmo relatar uma invasão ao vivo.

David Prager um homem comum como outro qualquer, tem sua noite interrompida por volta das duas da manhã do dia 11 de março, quando um homem aparece rondando sua casa. O que você faria se tivesse na mesma situação? Chamaria a polícia certo? Errado. David simplesmente usou o Twitter para narrar o acontecimento. Exatamente ele narrou ao vivo, graças ao seu iPhone e o Twitter oferecer essa facilidade, isso pode ser feito.

O que quero dizer usando esse post é simples, tomar decisões é algo que determina tudo, e com ela o caminho que as coisas irão seguir. Nosso amigo David tomou uma decisão arriscada, e claro que na situação dele, muito perigosa e irresponsável, porem por sorte dele, o invasor apenas estava drogado ou bebado e perdido. E isso rendeu ao nosso amigo, David, uma fama e uma história que com certeza será lembrado por muito tempo, e quem ganha com isso claro, ele, mas também nossos outros amigos o Mr. Williams e Mr. Stone com o seu pequeno projeto chamado Twitter.

Mas voltando ao assunto a tomada de decisão é algo muito importante em determinadas situações para que novas oportunidades surjam. Se for pensar bem, caso o David tivesse ligado para a polícia essa história passaria despercebida, e as únicas pessoas a saberem disso seriam, os amigos e familiares. Nisso podemos perceber como uma decisão arriscada foi tomada e como isso afetou a imagem de uma empresa e mais de um rapaz normal como tantos outros. Então isso é algo que devemos ter em mente. Sempre. Assumir riscos e seguir os instintos as vezes é o melhor negócio para que você tire proveito da situação e a torne favorável, mesmo sendo algo ruim, até mesmo uma invasão. O mercado pede isso, os produtos pedem isso e as pessoas querem isso.

Um ponto que prova isso é um caso também recente envolvendo uma grande empresa de jornal que irá testar uma nova versão de jornal , chamada de individuated news ou i-news que é simplesmente a pessoa imprimir seu jornal em casa, da forma que achar melhor. Isso é arriscado? Sim. Necessário? Com certeza. Para até mesmo a sobrevivência do velho jornal, grandes empresas estão seguindo os seus instintos e lutando contra um futuro incerto para eles. Se grandes empresas, sólidas, com reconhecimento e poder $$ fazem isso, então talvez devessemos olhar com outros olhos para esse tipo de decisão. Pois as vezes seguir o próprio instinto é o melhor plano para quem pensa demais.


O melhor emprego do mundo ou o maior viral do mundo?

09/03/2009

Uma ilha localizada na costa de Queensland, uma entre 600 que existem por alí. Se você fosse o ministro do turismo desse lugar, e buscasse um aumento no turismo, o que faria? Alguns poderiam buscar uma bela agência de publicidade e criar uma campanha maravilhosa, veiculando em canais pelo mundo, jornais, internet e gastar uma bela grana aguardando o retorno desse investimento. Outros poderiam apelar para parcerias com empresas de turismo e oferecer pacotes especiais de viagem, preços baixo, alto teor de conhecimentos culturais e promessas de belas fotos.

Mas a ministra de turismo de Hamilton, a tal ilha, preferiu utilizar a imagem da ilha de forma mais planejada. Desley Boyle, a tal ministra, simplesmente usou o que tinha e potencializou, uma bela ilha paradísiaca, a grana da publicidade, torno de R$235.000,00 / semestre,  virou um salário por um período de 6 meses para um(a) sortudo(a) qualquer, que simplesmente seria contratado como zelador desta ilha, e feito. Mas você pode pensar “um zelador com um salário desses?”. Chegamos ao ponto  no quesito da gestão de imagem, quase um branding, em que o que foi feito é simples, valorização do Halminton, a ilha.

E o que foi feito? Primeiro lançar na internet um site oferecendo uma oferta de emprego irrecusável, em um paraíso, quase abandonado. As exigências são baixas, saber mergulhar, gostar da natureza e ter um espírito aventureiro.

Segundo, mostrar como é bom trabalhar nessa ilha utilizando muitas fotos e vídeos, para que as pessoas realmente queiram conhecer a ilha, tanto para o trabalho como para a visita, que é o objetivo da ministra, lembra? Como por exemplo essas fotos.

Ilha 01Ilha 02Ilha 03Ilha 04

E terceiro, criar um nome de impacto, afinal, isso é  decisivo para que tudo de certo e chame atenção do mundo. Assim surge o nome “O melhor emprego do mundo”.

Pronto. Sua ilha cai na boca do povo, ou melhor, na busca do google e com isso, podemos observar como uma decisão bem planejada pode facilitar a sua vida, desde a busca no aumento do turismo em sua ilha, até mesmo seu pequeno comércio.

Se formos análisar bem, o processo de seleção para o cargo mais famoso do mundo, a ilha já está ganhando muito com isso. Dia 06 de maio deste mesmo ano será escolhido a nova celebridade, que atuará como zelador, de uma ilha que mais parece o Big Brother ou até mesmo o extinto No Limite.

A ilha teve um gasto mínimo com a criação de seu site, para colocar suas informações e tudo mais para divulgação da ilha, junto do charme para atrair atenção de todos, e mais o salário do indivíduo sortudo que irá atuar como zelador por seis meses.

E o retorno disso? Bom, em questão financeira ainda não sei dizer o que rendeu, mas com certeza irá render, pois hoje se for pensar essa ilha é famosa no mundo inteiro, muito mais famosa que a do lost, e quem não conhecia, agora conhece e quem já conhecia tem orgulho de dizer que já tinha conhecimento e quem é ministra do turismo de lá está rindo a toa. Pois em primeiro lugar, o que essa proposta inusitada rendeu de mídia espontânea pelo mundo, em blogs, portais de notícias e inúmeros outros lugares, isso já cobre a publicidade que muitos iriam escolher no começo para divulgar sua ilha, e o melhor, isso foi de graça. Ter a ilha anunciada em todo mundo de graça e quase ao mesmo tempo, é bom para qualquer um.

Segundo, sua fama agora é gigantesca e ninguem pode negar, e fama traz movimentação, o seu turismo bem provavelmente irá pagar o salário do sortudo ganhador, e ainda trará alguns trocados para casa.

Terceiro, a fama novamente, mas agora focada no zelador mais famoso e bem pago do mundo, que claro, será um personagem que muitos irão conhecer e entrevistar, e isso se torna mais um motivo para ir conhecer a ilha.

Como o mundo está olhando para este ponto é claro que esse lugar se torna valioso para qualquer empresa que queira que seu nome seja visto por todos, patrocínios é o que não irão faltar para essa ilha, ou seja, lá não irá faltar nada, se depender das empresas.

Sendo assim vimos que a ministra fez algo muito inteligente, transformou sua bela e pequena ilha, que está no meio de mais 599 ilhas tão parecidas quanto, e criou um diferencial, deu força a sua imagem e melhor, ganhou muito dinheiro com isso, ao invés do contrário do que vemos por aí.

Então, o maior viral do mundo, transformado em melhor emprego do mundo, com certeza é um case para que todos nós olhemos para nossas ilhas ou qualquer coisa, e descobrir seu valor, para que um dia ela finalmente crie sua própria identidade, e assim deixar de fazer o que todos fazem, e começar a fazer o que realmente deve ser feito.


Um planejamento que vale milhões

01/03/2009

1136507_86965287

Bom, após prolongar por vários dias desde o meu primeiro post, não tive como deixar passar o post de outro blog, que lí esses dias. Nele falava sobre um pequeno comércio que, querendo ou não,  realizou  uma belíssima ação de bondade ou será marketing?, que simplesmente fez algo que marcou, atender as necessidades do cliente acima de tudo, isso é algo que muitas empresas enormes e que investem milhões de dolares, buscam para criar sentimentos parecidos, ou até mesmo, algumas vezes, menores dos quais esse pequeno comércio conseguiu.

Hoje os consumidores são segmentados, exigentes com os produtos e pesquisam muito para escolherem uma empresa, produto ou serviço. Mas uma coisa todos querem sem excessão buscam quando escolhem um destes, se sentirem satisfeitos pela escolha, ou melhor, realmente sentirem que a empresa busca resolver os problemas do consumidor que o busca por qualquer razão. E que com certeza, se isso for atingido, qualquer consumidor que seja, segmentado, informado, exigente trará um bom retorno a quem o fizer.

E qual seria a fórmula mágica para isso? Brindes? Descontos?Um vale em mercadoria?

Pode ser um choque, mas é mais simples, e pode a longo prazo ser mais barato do que se imagina.

Para o comércio em questão foi o investimento de algumas xícaras de café e bolachinhas, mas que com certeza valeram mais do que alguns milhões de doláres em pesquisas sobre o consumidor.

E se for pensar, isso não é exatamente uma fórmula, pois não é exata, seria mais uma dica, que ainda precisará de mais alguns dolares para que as empresas vejam que o simples, nem sempre é uma má opção.

Mas claro que isso não deixa de ser tambem um ato planejado, e de forma inteligente na minha opinião, pelo simples fato de utilizar o pensamento a longo prazo.

Já estive em lugares onde o atendimento seguia esse conceito de satisfazer realmente a necessidade do cliente, e garanto que são lugares que pretendo visitar mais vezes.

Sendo assim deixo a se pensar, até onde o planejamento feito de forma certa, pode ser algo simples e efetivo sem maiores gastos buscando um consumidor X sendo que possívelmente ele vire um Y, e que mesmo assim busca alguem que o entenda.


Planeje

18/02/2009

Planejando o que fazer por aqui. 

Começando